os trabalhos e os dias vivendo o sonho e a realidade ao mesmo tempo (1)

9Jul/100

City of Liverpool

Navio vermelho que a ferrugem persegue entre Felixstowe e Walvis Bay
deixa o Tejo ao tempo e aos obscenos pombos
aos dias impotentes que não deixam a foz
deixa as águas que levam corpos
cansados até à morte
perseguidos e imóveis como Cristo
O rio esconde-se numa capa mole
escura como o dorso de um tubarão - viste-o?
deixa atrás só a água que se abre
como o baralho de cartas atirado sobre a mesa
agora que todo o dinheiro e sono foi perdido
navio, levanta-te e anda, é noite ainda.

Poema antigo, talvez de noventa e cinco? O navio chamava-se City of Liverpool entre noventa e cinco e noventa e sete, quando foi rebaptizado African Senator. Começou a vida em oitenta e dois já se chamou Campania (várias vezes), Red Sea Equinox, Arbitrator, CGM Languedoc e agora é o DD Success e já não é vermelho. É verdinho. Mas ainda é perseguido pela ferrugem, a ferrugem nunca dorme.



Não sei se é o mesmo City of Liverpool que foi atacado pelos rebeldes Tamil do Ceilão há uns anos. Hoje, nove de Julho de 2010 está ancorado no Mar Amarelo (mais propriamente no Mar de Bohai), perto de Pequim, longitude 119.1441, latitude 39.14851. Curioso leitor, podes seguir as andanças deste velho cargueiro aqui.

Obrigado à Anne-Marie pela foto.

Filed under: Poesia Leave a comment