os trabalhos e os dias vivendo o sonho e a realidade ao mesmo tempo (1)

12Jul/100

[poema escrito num bilhete de cinema]

lisboa, o espectro do inverno
já não cabe na garra aberta do vento
sobre nós, os desta cidade, timoratos
precipitadamente se deita a chuva

o frio caiu, com amor e violência
empurrado do céu: escondes-te agora
água de fevereiro, muda de medos;
rápido como granizo se destrói todo pensamento

Filed under: Poesia Leave a comment